• Luisa

Minha trajetória profissional

Em 2019 a Adriana Giachini do correio popular, entrou em contato comigo para escrever uma matéria do potencial das microalgas, o que acabou sendo um resumo da minha trajetória profissional, ler a minha trajetória escrita por outra pessoa é de muita satisfação. O mais interessante é que essa matéria foi para outros lugares e eu só fui perceber nesse mês. Um dos sites é uma referência em biodiesel no Brasil.

Durante a minha carreira como pesquisadora me especializei no crescimento e produção de bioprodutos a partir de microalgas. Trabalho com microalgas desde 2010, conhecendo e estudando como elas se comportam em diferentes meios de cultivo e como acumulam metabólitos (lípidos, carboidratos e proteínas). Mas o que são as microalgas?

São algas unicelulares (isto quer dizer que consiste somente em uma célula) que crescem em água doce ou salgada. Na imagem, podemos ver os componentes de uma célula.


Imagem de uma célula de microalga e seus componentes. Fonte: Gabriela Filipini Ferreira e Bianca de Paula Ramos.


As microalgas são microorganismos (somente podemos vê-los no microscópio) fotossintéticos, isto quer dizer que fazem fotossintése (o mesmo processo que fazem as plantas) para seu crescimento e acumulo de diversos produtos.


Foto da microalga Nannochloropsis sp. vista desde em um microscópio. Fonte: Wikimedia Commons


No meu projeto de doutorado eu estudei o crescimento da microalga Desmodesmus sp. visando a produção de biodiesel. As microalgas tem um alto potencial em várias áreas, cosmética, farmacêutica, alimenticia e de bioenergia. No caso da produção de biodiesel (substituto do Diesel fóssil) usamos os lipídios (gordura) que a célula acumula para transformá-lo em biocombustível.


Foto da Luisa segurando um Erlenmeyer com cultivo de microalgas
Fonte: Arquivo pessoal.

Foto da Luisa segurando um Erlenmeyer com cultivo de microalgas. Fonte: Arquivo pessoal.


Para o crescimento no laboratório, usamos frascos (Erlemenyer) onde colocamos o meio de cultivo, formado por água e nutrientes, e as microalgas para que se alimentem, se dupliquem e acumulem proteínas, lipídios e carboidratos.



Para o manuseio delas precisamos ter muito cuidado para não contaminar o cultivo com bacterias, ou outro microorganismos, e para isso usamos uma câmera de fluxo laminar, a qual deixa o ambiente estéril (livre de outros microorganismos como bacterias ou fungos), reduzindo a possiblidade de contaminação.

Foto da Luisa usando a câmera de fluxo laminar usada para cultivo de microalgas. Fonte: Arquivo pessoal.


Esta área das microalgas é muito interessante e vou escrever mais matérias contando a experiência no laboratório e o potencial destes microorganismos.


Referências

https://correio.rac.com.br/_conteudo/2019/10/campinas_e_rmc/875379-todo-o-potencial-das-microalgas.html

https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/153095/1/Agroenergia-Revista-microalgas-ed10-red.pdf

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo